• DBS Partner

Ciência de dados pode transformar gestão de pessoas

Trabalho híbrido, onboarding online efetivo, foco no employee experience e uso e análise de dados devem ser prioridades do RH em 2021


ciencia de dados, data science, big data

O setor de Recursos Humanos foi um dos que mais sentiram a transformação no ano de 2020. A gestão de pessoas se tornou mais importante do que um pacote de benefícios atraente. A partir dessas evidências, a tecnologia e um planejamento estratégico devem se tornar prioridade do RH das companhias em 2021. Um estudo divulgado pela GPTW (Great Place to Work) no ano passado apontou que o maior desafio do setor é estruturar processos tradicionais. Em uma era digital, existe a falsa impressão de que a maior parte das empresas já está inserida nessa transformação, mas a realidade é que existem diferentes níveis de maturidade e necessidades.


Copiar modelos prontos de gestão não será eficaz se antes não houver uma análise ou consultoria e um planejamento baseados nos valores e cultura de cada organização.


Trabalho Híbrido


O trabalho remoto, um modelo que parecia estar se consolidando em todo o mundo e uma estratégia adotada por 46% das organizações durante a pandemia, aos poucos vai dando espaço para um regime híbrido, que agrega dois conceitos que tem dividido parte das empresas.


O primeiro diz que híbrido é um modelo de trabalho que é realizado em parte no escritório e parte à distância. O segundo defende que o termo também significa trazer toda a experiência do regime presencial para o home office ou qualquer outro espaço fora das dependências da empresa, sem, necessariamente, envolver visitas esporádicas.


Um estudo conduzido pela Open Mind Brazil, em 2020, aponta que 85% dos entrevistados pretendem implantar em suas empresas um misto de home office e trabalho presencial em 2021. No entanto, mais da metade dos trabalhadores já estão quase totalmente fora dos escritórios, o que aponta que já há uma tendência para um trabalho híbrido que não exige mais o espaço físico.


Diante disso, investimentos em tecnologia e segurança precisam acompanhar essa expectativa. Para tanto, é imprescindível pensar “fora da caixa” e investir em ferramentas que não só permitam que o funcionário exerça suas atividades à distância, mas que façam com que ele se sinta dentro da empresa. Isso é especialmente relevante na contratação de novos profissionais.


Onboarding Online


O onboarding é uma prática que vem sendo preterida em função dos novos processos seletivos, que durante a pandemia passaram a ser realizados de maneira remota e, muitas vezes, para assumir vagas também à distância. Essa imersão, em seu significado integral, pressupõe muito mais do que as boas-vindas, mas um período destinado à demonstração dos valores e da cultura organizacional, deixando claro ao profissional os princípios que norteiam todas as decisões da empresa.


Afinal, causar uma boa impressão não se trata apenas de empatia, mas de integrar o profissional ao time e fazer com que ele se sinta parte da companhia. Tais práticas comprovadamente reduzem o turnover, que é, aliás, o 4º maior desafio enfrentado pelo RH, de acordo com a pesquisa da GPTW. Ciência de Dados


Embora o Big Data não seja uma novidade e tanto organizações como profissionais já olham para a gestão dos dados como um ativo valioso, são poucos os profissionais de RH que consideram que suas empresas são boas em capitalizar os insights da análise de pessoas. Apenas 29% têm essa percepção, segundo o último relatório do LinkedIn Global Talent Trends.


Os dashboards (interfaces de apresentação de indicadores) permitem não somente obter métricas, mas gerenciá-las de forma que tragam insights relevantes, principalmente para ações na área de gestão de pessoas. Mais do que analisar, a ciência dos dados permite traçar programas e metas para melhorar a interação, a produtividade e a participação do profissional, identificando problemas antes que resultem em demissões voluntárias ou baixo desempenho.


Registros já existentes nas empresas escondem informações importantes que podem traçar um perfil e uma visão mais estratégica do colaborador. Unir esses dados com inteligência será o grande desafio do setor de recursos humanos em 2021 e a automação uma grande aliada.


Employee Experience


A maior parte das tendências listadas diz respeito a pessoas e dados. Isso porque nenhuma empresa tem sucesso sem uma equipe engajada e comprometida com os mesmos objetivos.


Muito se fala na experiência do consumidor durante uma compra, mas, assim como o cliente, o empregado precisa ter uma boa referência da empresa em que trabalha. Jacob Morgan, autor do livro The Employee Experience Advantage (As vantagens do Employee Experience, em tradução livre para o português), defende categoricamente que a percepção dos colaboradores impacta não só na marca da empresa como empregadora, mas como marca de consumo. Nesse sentido, surge o profissional do RH do futuro, que não é mais só um especialista em avisos de férias, rescisões e folhas de pagamento, mas, principalmente, um líder em diversidades, que tem como principal tarefa melhorar o clima organizacional, atrair profissionais e reter talentos.


Processos manuais tendem a se tornar obsoletos, dando lugar às plataformas automatizadas, mas os verdadeiros líderes cuidam de pessoas.



Fonte: Melhor Gestão de Pessoas